Janeiro de 1999
A Contra-Revolução
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Revolução e Contra-Revolução

Tendo encerrado em nosso último número a publicação da Parte I – A Revolução -- da magna obra de Plinio Corrêa de Oliveira, Revolução e Contra-Revolução, passamos a reproduzir, a partir desta edição, a Parte II – A Contra-Revolução.

Em síntese, o Autor denomina Revolução o processo já cinco vezes secular que vem destruindo a Cristandade, desde o declínio da Idade Média, época em que o ideal católico de sociedade mais se aproximou de sua realização. E entende por Contra-Revolução a reação organizada que se opõe à Revolução, e visa restaurar a Cristandade.

Antes de iniciar a publicação da Parte II, recordamos a nossos leitores que Revolução e Contra-Revolução é o livro de cabeceira dos sócios e cooperadores da TFP, pois representa bem a linha de pensamento do Fundador da TFP, sua fidelidade à doutrina tradicional da Igreja e sua coerência de princípios. Coerência esta que até mesmo seus adversários reconhecem.

Transcrevemos aqui significativo trecho extraído do prefácio escrito por John Steinbacher para a primeira edição norte-americana desta obra do eminente pensador católico:

“Este livro é um catecismo da Contra-Revolução. A História registrou catecismos revolucionários no passado: Mein Kampf de Adolph Hitler, Das Kapital de Karl Marx e o Catecismo Revolucionário de Netchaev. Mas nunca houve um livro como este” (Educator Publications, Fullerton, 1972, p. 7).

* * *

Parte II


A Contra-Revolução

Capítulo I

Contra-Revolução é Reação

Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, foi um dos esteios da Contra-Reforma. A Contra-Revolução está para a Revolução como a Contra-Reforma está para a Pseudo-Reforma protestante
1. A Contra-Revolução, luta específica e direta contra a Revolução

Se tal é a Revolução, a Contra-Revolução é, no sentido literal da palavra, despido das conexões ilegítimas e mais ou menos demagógicas que a ela se juntaram na linguagem corrente, uma "re-ação". Isto é, uma ação que é dirigida contra outra ação. Ela está para a Revolução como, por exemplo, a Contra-Reforma está para a Pseudo-Reforma.

2. Nobreza dessa reação

E deste caráter de reação vem à Contra-Revolução sua nobreza e sua importância. Com efeito, se é a Revolução que nos vai matando, nada é mais indispensável do que uma reação que vise esmagá-la. Ser infenso, em princípio, a uma reação contra-revolucionária, é o mesmo que querer entregar o mundo ao domínio da Revolução.

3. Reação voltada também contra os adversários de hoje

Importa acrescentar que a Contra-Revolução, assim vista, não é nem pode ser um movimento nas nuvens, que combata fantasmas. Ela tem de ser a Contra-Revolução do século XX, feita contra a Revolução como hoje em concreto esta existe e, pois, contra as paixões revolucionárias como hoje crepitam, contra as idéias revolucionárias como hoje se formulam, os ambientes revolucionários como hoje se apresentam, a arte e a cultura revolucionárias como hoje são, as correntes e os homens que, em qualquer nível, são atualmente os fautores mais ativos da Revolução. A Contra-Revolução não é, pois, um mero retrospecto dos malefícios da Revolução no passado, mas um esforço para lhe cortar o caminho no presente.

4. Modernidade e integridade da Contra-Revolução

A modernidade da Contra-Revolução não consiste em fechar os olhos nem em pactuar, ainda que em proporções insignificantes, com a Revolução. Pelo contrário, consiste em conhecê-la em sua essência invariável e em seus tão relevantes acidentes contemporâneos, combatendo-a nestes e naquela, inteligentemente, argutamente, planejadamente, com todos os meios lícitos, e utilizando o concurso de todos os filhos da luz.

Capítulo II

Reação e Imobilismo Histórico

1. O Que Restaurar

Se a Revolução é a desordem, a Contra-Revolução é a restauração da Ordem. E por Ordem entendemos a paz de Cristo no reino de Cristo. Ou seja, a Civilização Cristã, austera e hierárquica, fundamentalmente sacral, antiigualitária e antiliberal.

______________

Publicaremos, no próximo mês um dos mais belos capítulos desta obra, que define como deverá ser a Ordem nascida da Contra-Revolução.


Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão