Fevereiro de 1994
Jesus cura a sogra de São Pedro e opera outros prodígios
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Religião

Jesus cura a sogra de São Pedro e opera outros prodígios

(São Marcos, 1, 29-38)

E eles, logo que saíram da sinagoga em Cafarnaum, foram à casa de Simão e de André, com Tiago e João. Ora, a sogra de Simão estava de cama com febre, e falaram-lLhe logo a respeito dela. E Jesus, aproximando-se e tomando-a pela mão, levantou-a, e imediatamente a deixou a febre, e ela pôs-se a servi-los.

E de tarde, sendo já sol posto, traziam-lhe todos os enfermos e possessos, e toda a cidade se tinha juntado diante da porta. E curou muitos que se achavam oprimidos com várias doenças e expeliu muitos demônios, e não lhe permitia dizer que O conheciam. E levantando-se muito de madrugada, saiu e foi a um lugar solitário e lá fazia oração. E Simão e os que estavam com Ele foram procurá-Lo e, tendo-O encontrado, disseram-Lhe: Todos Te procuram. E Ele disse-lhes: Vamos para as aldeias e cidades vizinhas a fim de que Eu também lá pregue, pois para isso é que vim. E andava pregando nas suas sinagogas e por toda a Galiléia e expelia os demônios.

Comentários compilados por Santo Tomás de Aquino na "Catena Aurea"

São João Crisóstomo –– Como esperavam que haveriam de obter com isso alguma utilidade, rogavam-Lhe os discípulos, sem esperar a noite, que curasse a sogra de Pedro.

São Beda –– No Evangelho de São Lucas lê-se que Lhe pediram por ela [a sogra de São Pedro]. Tão logo, pois, o Salvador é rogado, sem delongas cura espontaneamente os enfermos; mostrando assim que se aplaca sempre com as súplicas dos fiéis no tocante às paixões e os vícios, e às vezes dá a entender aos mesmos o que não entendem de modo algum, ou perdoa também o não entendido aos que piedosamente lhe solicitam, segundo pede com instância o Salmista (SI. 18): "Purificai-me Senhor, dos meus erros ocultos".Por isto, depois de rogado, cura. Continua, pois: "E aproximando-se a levantou, tomando-a pela mão"

São Beda –– Misticamente, pois, o ocaso do sol significa a Paixão e a morte d’Aquele que disse (Jo. Cap. 8): “Enquanto estou no mundo sou a luz do mundo". e é o ocaso do sol quando é curada a maior parte dos enfermos e possessos, porque Aquele que durante sua estadia neste mundo ensinou a uns tantos judeus, transmitiu os dons da fé e da salvação a todos os povos da terra"

Teófilo –– Depois que curou os enfermos retirou-se o Senhor a um lugar solitário. Com o que nos ensinou a não fazer nada por ostentação e a não propalar o bem que façamos. E continua: "E fazia ali oração".

São João Crisóstomo –– Não porque tivesse necessidade de rezar, posto que era Ele mesmo quem recebia as orações dos homens, senão que agindo dessa maneira se nos oferecia verdadeiramente como modelo, que devíamos imitar com nossas boas obras.

Teófilo –– Mostra-nos também que é a Deus a quem devemos atribuir todo o bem que façamos e a quem devemos dizer: Todo o bem de que gozamos nos vem de Vós, do Céu.

Comentários do Padre Luís Cláudio Fillion

Saindo da Sinagoga, retirou-se Jesus à casa de Simão Pedro com quatro de seus discípulos. Pedro estava casado e sua sogra sofria um violento ataque de febre que lhe fazia ficar na cama. Esta enfermidade é bastante comum nas costas do mar de Tiberíades, onde sempre faz muitas vítimas. Os discípulos informaram disso a Jesus que, se aproximando da enferma, com bondade lhe tomou a mão e a levantou suavemente. Ao divino contato, desapareceu a febre num instante e a cura foi tão completa que ela pôde servir à mesa aos seus hóspedes.

Este novo milagre foi ocasião, pela tarde, de outros muitos. Depois do pôr-do-sol, quando o descanso do Salvador terminou, levaram a Ele grande quantidade de enfermos e possessos de Cafarnaum. Toda a cidade, em breve, reuniu-se ante a casa de Simão. Cheio de compaixão como de poder, Jesus impôs as mãos sobre cada enfermo e curou-os a todos. Ao mesmo tempo, saíam os demônios de todos os possessos da cidade, gritando: "Tu és o Filho de Deus", ou seja, o Messias. Mas, como na Sinagoga, o Divino Mestre lhes impôs rigoroso silêncio.

Mal terminaram a noite do sábado para o domingo, Jesus estava já de pé e saía silencioso, sem avisar ninguém. Seu objetivo era certamente fugir das ovações dos habitantes, superexcitados pelos milagres da véspera. Perto do lago costuma haver lugares retirados. Entrou em um destes e, seguindo o costume tanto de seu gosto e têmpera divina, se entregou à oração. Quem poderá declarar o íntimo da união, o êxtase das relações que então tinha com seu Pai celestial? Mas seus discípulos notaram a saída de Jesus e muito intranqüilos e cheios de empenho se puseram a procurá-lo sob a direção de Pedro. Quando O encontraram disseram-Lhe: "Todos andam em vossa procura". Desde o alvorecer, as multidões haviam acorrido outra vez para alcançar de Jesus outros novos favores. Mas o Filho de Deus não se havia encarnado para reservar suas bênçãos a uma região privilegiada. Por isto, respondeu recordando-lhes que outras muitas comarcas tinham direito à sua pregação: "Vamos às aldeias e cidades vizinhas, porque é necessário que também lhes anuncie a boa nova do reino de Deus, pois para isto fui enviado". Pôs-se, portanto, a percorrer toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o Evangelho e curando toda doença e toda enfermidade do povo.

Pe. Luís Cláudio Fillion, Nuestro Señor Jesucristo según los Evangelios, Editorial Difusión, S.A., Tucumán, 1859, pp. 122-3.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão