Janeiro de 2005
Nossa Senhora do Rosário do Cabo
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Página Mariana

Nossa Senhora do Rosário do Cabo

Essa invocação da Padroeira do Canadá recorda-nos a perseverança que devemos ter nas situações adversas desta vida e, por meio de nossa fidelidade, atrair a bênção de Deus e a proteção da Virgem Santíssima

  • Valdis Grinsteins

A imagem que a imensa maioria das pessoas tem do Canadá está ligada à neve, a um intenso frio e muito gelo. De fato assim é, mas por vezes ocorre que, por permissão de Deus, o clima pode mudar e resolver situações difíceis. O que no Brasil poderia causar uma certa graça, entretanto foi, no caso concreto, uma história muito real que começa em 1867.

Naquele ano, a população da cidade de Cap-de-la-Madeleine era constituída apenas por 1.300 pessoas. Iniciara-se uma renovação na piedade da população. O pároco local, Pe. Désilets, criara uma confraria do Santo Rosário, na qual rapidamente inscreveram-se muitas pessoas, não só da cidade, mas também dos arredores, num total de 3.000 almas.

O crescimento numérico de católicos praticantes representou, para o zeloso sacerdote, um problema: era preciso construir uma igreja maior. A pequenina igreja edificada em 1714 não comportava mais o número crescente de fiéis. Mas, como fazê-lo? As pessoas da localidade não eram ricas, e, além do mais, o terreno era muito arenoso, havendo pouca pedra. Afinal, uma decisão foi tomada: construir-se-ia a nova igreja no início de 1879. Para isso, era preciso trasladar as pedras que se podiam obter do outro lado do rio. Transportá-las por barco seria muito custoso, e decidiu-se então que o transporte seria efetuado no inverno, quando o rio ficasse congelado.

Entretanto, justamente naquele ano o inverno fora muito menos rigoroso, e o rio não congelara. Chegou o Natal, passou o Ano Novo, terminou janeiro... e nada. Poder-se-ia ainda esperar, porque fevereiro também era um mês muito frio. Mas nada de congelamento. Considerando a possibilidade de passar mais um ano numa igreja apertada e sem condições para receber todos os fiéis, os católicos começaram a rezar o Rosário na intenção de que o rio se congelasse. Iniciou-se o mês de março, e ainda nada. Se no inverno o rio não se congelara — pensariam os céticos –– dificilmente congelar-se-ia em março, início da primavera. Mas os católicos não desistiram. Afinal, Nossa Senhora é Rainha, e pode perfeitamente solucionar esses problemas.

A ponte do Rosário

Altar com a imagem de Na. Senhora do Rosário do Cabo, Padroeira do Canadá
Em meados de março, o Padre Désilets encontrava-se realmente preocupado. Não pela piedade do povo, que se mantinha firme rezando o Rosário em conjunto todos os domingos, mas por prever mais um ano em que permaneceriam em condições precárias as atividades do culto na igrejinha. Devido a isso, ele fez uma promessa a Nossa Senhora: caso a ponte de gelo se formasse, ele consagraria a pequena igreja à Virgem Santíssima.

Ao entardecer do dia 16 de março, o esperado prodígio ocorreu: o rio se congelou e formou-se uma ponte de gelo de uns dois quilômetros, suficientemente firme para permitir a passagem dos trenós carregados de pedras. Foi enviado um aviso a todos os colaboradores, e entre os dias 19 e 25 de março uma centena de trenós transportou todas as pedras necessárias para a construção da nova igreja. Logo depois o clima mudou e a ponte de gelo — chamada pelos católicos a ponte do Rosário — se desfez.

Satisfeitos por verem a proteção de Nossa Senhora quanto à nova igreja, os fiéis começaram com entusiasmo a construção. E no início do verão de 1880 ela estava pronta. A cerimônia da bênção da igreja foi realizada pelo bispo de Trois Rivières, Mons. Louis François Laflèche. A velha igreja foi poupada, e, curiosamente, será esta a que atrairá multidões no futuro.

O milagre do olhar

Detalhe do altar da foto acima
Até aqui, poder-se-ia dizer que a narração constitui a piedosa história de uma paróquia. Nada de estranho que o virtuoso sacerdote cumpra sua promessa feita à Virgem e lhe dedique a velha igrejinha, no dia 22 de junho de 1888. Ele tinha preparado uma grande festa e convidado um renomado orador, o padre franciscano Frederik Jansoone. Após a cerimônia, foi colocada no altar-mor uma imagem de Nossa Senhora, que antes se encontrava num altar lateral da mesma igreja. Assim, a pequena igreja de Santa Maria Madalena passava a chamar-se igreja de Nossa Senhora do Santo Rosário.

Terminadas as cerimônias de consagração da igreja, três pessoas ainda se encontravam rezando no templo: o Pe. Désilets, o Pe. Jansoone e Pierre Lacroix, uma pessoa portadora de deficiências físicas.(1)

De repente, acontece um milagre, assim descrito pelo padre Jansoone: “A imagem da Virgem, que tinha os olhos completamente baixos, abriu-os totalmente. Seu olhar  estava fixo, olhando adiante, bem em frente. Uma ilusão era difícil, pois sua face encontrava-se plenamente batida pelos raios do sol, que entravam por uma janela e iluminavam todo o santuário. Seus olhos eram negros, bem formados e em plena harmonia com o rosto. O olhar da Virgem era o de uma pessoa viva e tinha uma expressão de severidade misturada com tristeza. Este prodígio durou entre cinco e dez minutos”.(2)

A visão desse portento mudou totalmente a vida do Pe. Jansoone. Ele dedicou desde então toda sua vida a propagar a devoção a Nossa Senhora do Rosário do Cabo e foi o primeiro diretor das peregrinações, que duram até os dias de hoje.

Lição: vida terrena é luta

Igreja antiga em Cap-de-la-Madeleine
Algumas pessoas, ao tomarem conhecimento desta narração, prestam muita atenção no milagre dos olhos e se esquecem da ponte do Rosário. Parece-nos mais simpático o que acontece, por assim dizer, sem esforço. Com efeito, aquilo que é extraordinário chama naturalmente muito a atenção. O fato de Nossa Senhora nos olhar, sem termos que fazer qualquer esforço, é admirável. Mas rezar com perseverança, confiar quando o Céu parece fechado para nós, acreditar quando tudo parece perdido, eis o que é difícil.

Tal perseverança na desolação é o que atrai, de modo especial, as bênçãos de Nossa Senhora. A vida real não é um filme de Hollywood, com soluções mágicas e finais felizes. Não foi assim a vida de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não podemos esperar que a nossa o seja, pois “christianus alter Christus” (o cristão é outro Cristo). A realidade da vida é o combate, conforme a Igreja nos ensina: “Militia est vita hominis super Terram”.(3) Devemos, pois, ficar contentes quando fatos extraordinários se produzem, mas devemos sobretudo estar preparados para enfrentar com confiança, coragem e perseverança todas as adversidades da vida. Eis uma importante lição que podemos tirar da história da Padroeira do Canadá.

–––––––––

Notas:

1. http://www.patrimoine-religieux.qc.ca/pelerinage/pelerinage2f.htm 

2. http://www.sanctuaire-ndc.ca/intro.html 

3. Livro de Jó, 7, 1.

 

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão