Março de 2001
Chenonceaux: castelo que flutua sobre as águas
Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão
Ambientes, Costumes e Civilizações

Chenonceaux
O Castelo-cisne

Plinio Corrêa de Oliveira

Chenonceaux: castelo considerado uma das "jóias" do Vale do Loire, França, construído sobre as bases de um antigo moinho no rio Cher, afluente do Loire, entre 1515 e 1522. Anos depois, por volta de 1560, a Rainha Catarina de Médicis mandou edificar a galeria sobre a ponte.A impressão que o castelo de Chenonceaux causa, à primeira vista, é de entusiasmo!

Qual é a razão pela qual ele produz esse sentimento?

Imaginemos que fosse um castelo construído em terra, e que, em vez de correr um rio debaixo dele, passasse uma estrada poeirenta comum, permitindo o trânsito de carroças, automóveis, etc., etc. Não é verdade que o castelo perderia pelo menos cinqüenta por cento de seu encanto?

Com isso, fica claro o que seu construtor explorou para produzir essa sensação de inebriamento. Foi uma obra baseada no seguinte princípio: todas as coisas que se refletem na água ganham em beleza.

Tem-se uma sensação paradisíaca vendo as águas do rio fluírem tão plácidas, marcadas pelo azul do céu, e o castelo que nelas se reflete reproduzindo a imagem de si mesmo.

Vê-se que a maior beleza do castelo consiste na concretização dessa idéia originalíssima de construir uma parte dele sobre uma ponte. E isso de maneira tal, que ele, por assim dizer, parece um cisne em cima da água. Esse é um castelo-cisne. Ele flutua sobre a água como se fosse uma fantasia, uma coisa irreal, um sonho!

* * *

Por outro lado, quanta harmonia foi posta, segundo o espírito francês, nessa portentosa obra de arquitetura.

O castelo é constituído por três elementos distintos. O primeiro deles é a ponte com os seus arcos, em cima da qual se construiu a ala mais leve do edifício. O segundo elemento é o corpo central do castelo. E por último, à esquerda, um torreão _ que deve ser o que restou de uma velha fortaleza medieval _ sólido, atarracado, grande, e que produz a sensação de estabilidade, ao último grau.

Chama a atenção o contraste entre os arcos da ponte, tão diáfanos e leves, e a base pesada da parte central. Esse misto de firmeza, de estabilidade e delicadeza forma um contraste harmônico de qualidades opostas, que acentua a sedução inerente a essa parte do edifício.

São os três elementos sucessivos que dão encanto ao castelo e explicam sua beleza.


Ao fundo, nota-se um jardim esplêndido. Um quadrilátero apresenta desenhos e vegetação lindíssimos, com aquela grama esmeraldina da Europa que aqui não se conhece.

Tal jardim é arranjado e "penteado" de tal maneira, que não o pode ser mais. Para compensar o extremo do arranjado, há ao seu lado uma arborização "despenteada", puramente silvestre, que completa plenamente o panorama.

Em outros termos, tudo o que parece espontâneo foi estudado com uma sagacidade extraordinária, para provocar um efeito de conjunto. Mas com tal perfeição, que a noção de harmonia nasce sem que a maior parte das pessoas consiga explicitá-la.

O sumo da harmonia consiste exatamente em que não se possa precisar, à primeira vista, no que ela consiste, exigindo muita atenção para a definir ...
_______

Excertos de conferência proferida pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira para sócios e cooperadores da TFP, em 2 de janeiro de 1969. Sem revisão do autor.

 

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão